DEPUTADA AO PARLAMENTO EUROPEU

EUROPA COM O MINHO NO CORAÇÃO

ISABEL CARVALHAIS INDICADA RELATORA DE PARECER SOBRE A ESTRATÉGIA DE BIODIVERSIDADE DA UE PARA 2030

Eurodeputada portuguesa vai trabalhar no parecer da Comissão de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Parlamento Europeu para uma estratégia que visa recuperar a biodiversidade da Europa até 2030.

 

 

Isabel Estrada Carvalhais foi indicada como relatora do parecer da Comissão de Agricultura e Desenvolvimento Rural referente à Estratégia de Biodiversidade da União Europeia 2030. A eurodeputada portuguesa será responsável pela apresentação da proposta de parecer e pelas negociações na Comissão de Agricultura. Posteriormente, este parecer contribuirá para o relatório de iniciativa a ser aprovado pelo Parlamento Europeu sobre esta matéria.

 

Publicada em maio deste ano pela Comissão Europeia, esta estratégia, um dos pilares do Pacto Ecológico Europeu, visa estabelecer um plano de longo prazo para proteger a natureza e reverter a degradação dos ecossistemas. Com o objectivo de recuperar a biodiversidade da Europa até 2030, propõe novas formas de implementar a legislação e novos compromissos e medidas mais ambiciosos.

 

No âmbito da agricultura, a estratégia aborda, entre outros, a necessidade de reduzir o uso e risco de pesticidas e fertilizantes, a promoção e aumento da área de cultivo da agricultura biológica, o aumento da área reservada a elementos paisagísticos de elevada diversidade e a promoção da florestação e dos sistemas agro-florestais.

 

A conservação e uso sustentável da biodiversidade são elementos essenciais para o futuro da agricultura e salvaguarda da segurança alimentar. No entanto, a atividade agrícola é também um fator de pressão sobre os recursos naturais, em particular nos sistemas intensivos de produção.

 

Enquanto gestores da terra e dos recursos naturais, os agricultores são aliados vitais na preservação da biodiversidade. Estes devem por isso ser apoiados e dotados dos necessários recursos na sua transição para sistemas de produção mais sustentáveis e melhor integrados com o meio ambiente, no que a política agrícola comum será um elemento chave.