DEPUTADA AO PARLAMENTO EUROPEU

EUROPA COM CORAÇÃO

Isabel Carvalhais destaca vitalidade do mundo rural e resiliência dos produtores de Minifúndio

Missão da Comissão de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Parlamento Europeu esteve em visita ao Norte e Centro de Portugal e terminou no Minho, entre os concelhos de Famalicão e Guimarães.

 

 

A Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural do Parlamento Europeu esteve esta semana em missão em Portugal, entre os dias 19 a 21 de setembro, num programa diversificado e que teve como objetivo contactar com as realidades agrícolas da zona centro-norte do País.

 

 

Ao longo de 3 dias, eurodeputados de diferentes grupos políticos que integram a Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural tiveram a oportunidade de visitar explorações agrícolas, cooperativas, empresas, e ainda de reunir com agricultores e produtores, num roteiro que contou também com a participação da Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

 

 

Num roteiro que passou pelas regiões vitivinícolas do Douro e do Dão, por Moimenta da Beira e São Pedro do Sul, a missão terminou em pleno coração do Minho, entre Vila Nova de Famalicão e Guimarães.

 

 

Em Famalicão, os deputados ao Parlamento Europeu deslocaram-se à Quinta da Costa para participarem num encontro com produtores dos distrito, onde ficaram a conhecer bons exemplos de viabilidade económica da estrutura de minifúndio, que combinam resiliência, vontade de inovar, e práticas sustentáveis que garantem o respeito pela enorme biodiversidade.

 

 

Isabel Carvalhais, membro desta comissão afirmou:

 

 

“O minifúndio é uma expressão ancestral da relação profunda que temos construído com a nossa paisagem, os nossos animais, e as nossas comunidades. Ou seja, quem olha o minifúndio vê mais do que um pedaço de terra: vê a história de muitas famílias, vê apego emocional, vê uma história de resistência e de sobrevivência económica, mas também a capacidade de adaptação aos novos tempos.”

 

 

E acrescentou ainda:

 

 

“Esta é uma estrutura muitas vezes atacada por quem a considera incapaz de responder às demandas do mercado atual, associada a um passado de pobreza e de subsistência, e por isso é tão importante mostrar exemplos que mostrem precisamente como essa avaliação está errada. Aliás, toda a nossa agricultura deve muito às pequenas explorações. A visita que fizemos ao Alto Doutro vinhateiro, por exemplo, é bem reveladora de como na base de uma paisagem tão impactante e produtora de enorme riqueza nacional, estão milhares de pequenos produtores, na sua maioria com menos de 2 hectares de terra.”

 

 

O dia terminou em Guimarães, território que tem dedicado especial atenção à valorização e à promoção do mundo rural, num encontro com o Presidente da Autarquia, Domingos Bragança, que salientou o capital que a cidade tem construído e que pretende continuar a aprofundar em torno da valorização do mundo rural.

 

 

No decorrer do encontro, também a deputada minhota ao Parlamento Europeu afirmou:

 

 

“Guimarães tem-se destacado positivamente pela forte aposta na dinamização do tecido rural da região, através de diversas iniciativas como é o caso da criação da Incubadora de Base Rural, e que visam potenciar o capital agrícola e florestal da cidade e, simultaneamente, contribuir para o crescimento económico, o desenvolvimento empresarial, a inclusão social, a sustentabilidade ambiental e o bom uso dos solos. Sendo um concelho eminentemente industrial é muito positivo ver este trabalho no sentido da valorização dos laços com o mundo rural e da reaproximação à natureza.”