DEPUTADA AO PARLAMENTO EUROPEU

EUROPA COM O MINHO NO CORAÇÃO

20 anos de Direitos Fundamentais

Isabel Carvalhais foi uma das oradoras do evento “20 anos de Direitos Fundamentais”. Uma iniciativa organizada pelo projeto Connect Europe, que visa promover diálogos construtivos sobre o futuro da Europa e os Direitos dos cidadãos.

 

Esta continua a ser uma discussão muito necessária, com o Covid-19 a revelar a acutilância de uma verdade sem tempo: que nunca podemos tomar por garantidas as nossas conquistas históricas no que respeita aos Direitos Humanos. A condição das mulheres é a prova disso mesmo.

 


Presentes como força laboral, por vezes em larga maioria, nos setores da saúde, nos setores de ação social e de ensino, nos serviços domésticos e de limpeza, nos serviços de atendimento ao público, nas lojas, nas linhas de produção de muitas áreas industriais, acumulando tarefas de cuidadoras informais, educadoras dos filhos, conciliando teletrabalho com tarefas domésticas, as mulheres são o espelho vivo dos impactos profundos desta crise. Para mais, são muitas as que acumulam condições que agravam sobremaneira a forma como a sociedade as trata, mesmo em tempos ditos “normais”: penso por exemplo nas mulheres migrantes, nas mulheres LGBT, nas mulheres sem abrigo, nas mulheres pertencentes a minorias étnicas alvo de múltiplas discriminações.

 

Por isso o grupo Socialists and Democrats Group in the European Parliament considera urgente que sejam tomadas ações orientadas em específico para a condição das mulheres, em reposta desde logo a este contexto de pandemia. O S&D defende investimentos públicos diretamente orientados para responder desde logo às necessidades de seguranças e higiene das mulheres que trabalham nos setores da saúde; apoios financeiros a mulheres empreendedoras responsáveis por pequenos negócios, durante e depois da crise; garantia de acesso a cuidados de saúde, a apoio social e mental incluindo a apoios de saúde sexual e reprodutiva; garantia de efetivo funcionamento de serviços de apoio e de proteção como as casas de abrigo para mulheres vítimas de violência de género… a lista continua.

 

Mas mais do que dizer, importa fazer e é por isso que as vozes da sociedade civil são muito importantes para pressionar os poderes públicos no sentido de decisões corajosas e acertadas na defesa dos direitos humanos e como tal incluídos, dos direitos das mulheres!